Marcos do Val convoca senadores a combater suposta censura do STF — Senado Notícias

[ad_1]

O senador Marcos do Val (Podemos–ES), em pronunciamento no Plenário nesta quarta-feira (23), voltou a pedir apoio dos senadores contra a “censura” imposta a ele pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que suspendeu suas contas nas redes sociais. O parlamentar convocou seus colegas a refletirem sobre a gravidade da situação, enfatizando que não se trata de um ataque individual, mas uma afronta à instituição do Senado e à democracia brasileira. 

— Eu convoco os senadores que estão assistindo pela TV, nos seus gabinetes, e daqui a pouco estarão aqui embaixo, o que está acontecendo comigo como senador da República. Não é com o Marcos do Val, mas com um senador da República eleito com quase 1 milhão de votos pelo estado do Espírito Santo, que tem 2 milhões de eleitores. Então, simplesmente calou 1 milhão de capixabas — concluiu. 

O senador enfatizou o papel das redes sociais na comunicação com os eleitores, destacando que sempre utilizou a ferramenta para tornar suas atividades parlamentares mais transparentes. Marcos do Val lamentou estar impossibilitado de se comunicar com 5 milhões de seguidores e de alcançar, segundo ele, cerca de 35 milhões de brasileiros diariamente. O parlamentar argumentou que a medida prejudica seu trabalho e também afeta a população que precisa ser informada para exercer seu direito de fiscalização, questionamento e denúncia dos abusos cometidos pelo poder público. Ele argumentou que sua liberdade de expressão foi cerceada de maneira injusta e inconstitucional. 

— Quando eu passei para todos os juristas, advogados, especialistas, todos disseram: “É crime de opinião, porque você, como senador, tem todas as prerrogativas, a Constituição te garante a fala… Ele tirou isso de você”. […] Fui sentenciado, condenado e censurado, silenciado sem direito à ampla defesa. Isto no dia do meu aniversário, 15 de junho […]. Que tamanha gravidade de crime foi cometido para que todas as prerrogativas dos senadores da República fossem violadas? Que crime é esse? — questionou.

Agência Senado (Reprodução autorizada mediante citação da Agência Senado)

[ad_2]

Com Agência Senado

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Leia também

Fale com a redação