Senado cria comissão para acompanhar a situação dos Yanomami e a retirada dos garimpeiros

O Plenário do Senado aprovou a criação de uma Comissão Temporária Externa para acompanhar a situação dos Yanomami e a saída dos garimpeiros dessas reservas em Roraima. O colegiado será composto pelos senadores do estado Mecias de Jesus, do Republicanos, autor da iniciativa; Dr. Hiran, do PP e Chico Rodrigues, do PSB, além dos deputados federais Duda Ramos, Zé Haroldo Cathedral e Albuquerque.

Os parlamentares terão o prazo de 120 dias para visitarem as aldeias e os garimpos e entregarem um relatório com a conclusão dos trabalhos. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, destacou que todos os Poderes devem se unir em busca de uma solução do que chamou de uma crise humanitária gravíssima.

Esta comissão externa representará o Senado na gestão dessa crise grave de Roraima, tanto dos povos indígenas quanto das populações que ali estão de garimpeiros e de funcionários do garimpo, empregados do garimpo que precisam, obviamente, a despeito de responderem eventualmente por alguma prática ilícita, precisam nesse instante ser socorridos por um critério básico: o critério de solidariedade e de humanidade.

Chico Rodrigues argumentou que os Yanomami já estão sendo assistidos pelo governo federal. Por isso, alertou que a comissão está preocupada com a situação dos garimpeiros, que desde o anúncio da retirada deles das áreas indígenas enfrentam desabastecimento de comida e de combustível. O senador explicou que eles não conseguem sair dos garimpos após o fechamento do espaço aéreo.

Nós queremos exatamente que o governo aja de uma forma ordenada com a logística de retirada dos garimpeiros, mas não deixá-los lá entregues à própria sorte. Vamos trazer aqui para o presidente Rodrigo Pacheco para que ele possa junto com o governo federal criar uma forma de trazê-los o mais rápido possível, mas por enquanto levando alimentos para eles, trazendo aqueles que estão doentes, há muitos deles com malária, e facilitando a sua retirada da área de uma forma humanitária.

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Leia também

Fale com a redação