Lei concede título de Capital Nacional do Reggae a São Luís do Maranhão – Notícias

[ad_1]

12/09/2023 – 12:33  

Governo do Maranhão

Museu do Reggae no Maranhão

Foi publicada no Diário Oficial da união (DOU) nesta terça-feira (12) a Lei 14.668/23, que concede a São Luís o título de Capital Nacional do Reggae. A norma teve origem no Projeto de Lei 81/20, do ex-deputado Bira do Pindaré (MA), que foi aprovado pela Câmara no ano passado.

Ao apresentar o projeto, o autor argumentou que o reggae já é um elemento da cultura contemporânea do povo do Maranhão. “Influencia na maneira do maranhense falar, vestir-se e dançar, entre outras coisas. O estilo musical vai além do simples ritmo no Maranhão, é um movimento cultural que transmite a mensagem de liberdade, igualdade, paz, amor e harmonia”, disse o parlamentar.

Cultura do Maranhão
O reggae teve grande repercussão no Maranhão a partir dos anos 1970, em especial pelos moradores da ilha de São Luís. Há hipóteses de que o reggae tenha chegado pelas ondas de rádio emitidas do Caribe, ou por marinheiros que, descendo no porto, traziam discos para São Luís.

O senador Cid Gomes (PDT-CE), que relatou o projeto na Comissão de Educação e Cultura do Senado, observou que houve uma inesperada empatia entre o ritmo e a população maranhense. “Não há dúvida de que a origem africana, transformada em moderna expressão afrocaribenha, foi um fortíssimo fator que impulsionou essa convergência do reggae com o povo do Maranhão, com sua elevada participação de afrodescendentes”, destacou Cid Gomes.

Visto inicialmente com preconceito pela cultura oficial, continuou o senador, o reggae conquistou espaços a partir da periferia de São Luís e se tornou uma das marcas inconfundíveis da cidade, ao mesmo tempo que se espalhava pelo interior do estado.

“Temos hoje, no centro histórico da capital, o Museu do Reggae Maranhão, único museu do gênero fora da Jamaica, visitado por dezenas de milhares de pessoas a cada ano”, ressaltou.

Da Agência Senado – ND

[ad_2]

Com informações Agência Câmara

Facebook
Twitter
WhatsApp
Telegram

Leia também

Fale com a redação